agência adventista de desenvolvimento e recursos

DIÁRIO COMÉRCIO INDÚSTRIA & SERVIÇOS G QUINTA-FEIRA E SEXTA- FEIRA, 31 DE MAIO E 1 DE JUNHO DE 2018

A7

AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECURSOS ASSISTENCIAIS CENTRAL BRASILEIRA CNPJ/MF 15.355.260/0001-57 Associação Sem Fins Econômicos e Lucrativos, com Atividade Preponderante na Área da Assistência Social Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social - CEBAS - Portaria n° 38 de 03 de junho de 2016 - Processo n° 71000.070575/2015-22 Sede: Av. Profª Magdalena Sanseverino Grosso, 850 - CEP: 13160-000 - Artur Nogueira - SP

BALANÇO PATRIMONIAL DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - EM REAIS (R$) ATIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa Adiantamento Pessoal Convênios De Cooperação A Receber Recursos Públicos à Receber Outras Contas à Receber Despesas Antecipadas NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Impostos a Recuperar a Longo Prazo IMOBILIZADO Bens em Formação Terrenos Móveis e Utensílios Máquinas e Equipamentos Automotores Semoventes (-) Depreciação Acumulada - Imobilizado TOTAL DO ATIVO

Nota nº 5 6 6 6 6

7

2017 2016 PASSIVO 2.267.013,14 2.464.868,10 CIRCULANTE Contas a Pagar 1.802.638,21 2.204.661,51 Provisões 88.131,52 69.045,61 Fundos em Projetos Próprios 199.677,25 19.819,77 Recursos de Subvenções a Realizar 171.885,63 160.920,40 Receita com Subvenções a Incorrer 4.680,53 7.971,91 2.448,90 3.407.664,62 2.876.946,42 10.167,34 10.167,34 10.167,34 10.167,34 3.397.497,28 2.866.779,08 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Patrimônio Social 2.196.366,85 1.696.665,41 Superávit ou (Déficit) do Exercício 600.000,00 600.000,00 314.167,85 299.996,12 766.357,95 698.123,97 563.226,71 481.736,72 2.868,00 (1.045.490,08) (909.743,14) 5.674.677,76 5.341.814,52 TOTAL DO PASSIVO e PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

Nota nº 9 10

11

2017 3.428.867,20 2.885.335,25 50.402,66 29.201,95 370.411,47 93.515,87

2016 3.234.121,19 2.547.583,21 49.454,33 5.054,45 511.976,53 120.052,67

2.245.810,56 2.107.693,33 138.117,23

2.107.693,33 2.663.071,82 (555.378,49)

5.674.677,76

5.341.814,52

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (EM REAIS) 1-ORIGENS DE RECURSOS Superávit do Exercício Aumento Passivo Exigível a Longo Prazo Depreciações/Amortizações Total das Origens 2-APLICAÇÕES DE RECURSOS Aumento do Ativo Imobilizado Aumento do Ativo Realizável a Longo Prazo Total das Aplicações 3-AUM./(RED.) CAPITAL CIRC. LÍQUIDO (1-2) 4-CAPITAL CIRCULANTE Ativo Circulante Passivo Circulante Total Capital Circulante Líquido

2017

2016

138.117,23 135.746,94 273.864,17

(555.378,49) (365.000,00) 80.720,53 (839.657,96)

DEMONSTRAÇÃO DO SUPERÁVIT OU DÉFICIT DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO - Em Reais (R$) EXERCÍCIOS Nota nº 2017 RECEITA OPERACIONAL 5.875.291,45 De Doações/Subvenções/Outras 5.875.291,45 Doações Diversas 12 1.527.048,73 Subvenção Organizacionais / Parcerias 13 2.359.559,68 Subvenção Governamentais 14 1.878.217,49 Outras Receitas 110.465,55 (-) DESPESAS COM PROJETOS / PROGRAMAS 15 5.080.401,71 Despesas com Recursos Poderes Públicos 1.878.217,49 Despesas Recursos Proprios 3.202.184,22 (-) DESPESAS COM SEDE ADMINISTRATIVA REGIONAL 1.017.106,81 Despesas com Pessoal 329.880,16 Administrativas e Gerais 292.332,00 Despesas com Depreciação 215.874,73 Encargos Tributários 33.006,17 Despesas Com Promoções e Treinamentos 146.013,75 RESULTADO OPERACIONAL (222.217,07) RESULTADO FINANCEIRO 116.304,72 Receitas Financeiras 117.973,63 Despesas Financeiras (1.668,91) OUTRAS RECEITAS E DESPESAS 244.029,58 Outras Receitas 264.484,11 Outras Despesas (20.454,53) SUPERÁVIT OU (DÉFICIT) DO EXERCÍCIO 138.117,23 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

2016 5.227.232,92 5.227.232,92 1.216.219,20 2.086.371,40 1.760.541,76 164.100,56 5.074.780,07 1.760.541,76 3.314.238,31 1.095.798,24 340.552,31 385.121,44 182.169,15 36.196,54 151.758,80 (943.345,39) 210.239,11 214.735,97 (4.496,86) 177.727,79 218.071,11 (40.343,32) (555.378,49)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA - MÉTODO INDIRETO EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (EM REAIS)

666.465,14 1.124.867,56 10.167,34 666.465,14 1.135.034,90 (392.600,97) (1.974.692,86) 2017 2016 2015 2.267.013,14 2.464.868,10 3.105.963,05 3.428.867,20 3.234.121,19 1.900.523,28 (1.161.854,06) (769.253,09) 1.205.439,77 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

2017 2016 ATIVIDADES OPERACIONAIS Superávit Líquido Ajustado 329.710,10 (358.251,00) Superávit do Exercício 138.117,23 (555.378,49) VARIAÇÃO 2017 VARIAÇÃO 2016 Depreciação e Amortização 215.874,73 182.169,15 (197.854,96) (641.094,95) Provisão de Férias e Encargos 101.268,14 99.258,34 194.746,01 1.333.597,91 Valor Residual do Ativo Imobilizado Baixado (125.550,00) (84.300,00) (392.600,97) (1.974.692,86) (Aumento) Redução do Ativo (204.168,34) 13.878,28 Contas a Receber (206.617,24) 24.614,46 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 31 de dezembro de 2017 (Em reais) Despesas do Exercício Seguinte 2.448,90 (568,84) (10.167,34) 1. Contexto Operacional: A AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECURSOS ASSISTENCIAIS 7. Composição do Imobilizado: Para viabilizar o atendimento das suas necessidades, a Instituição Paulista Realizável (Não Circulante) 93.416,42 873.551,52 CENTRAL BRASILEIRA, também designada por ADRA CENTRAL, fundada em 7 (sete) de dezembro de 2011, por adquire bens, móveis e instalações e a própria sede, através da receita oriunda de suas atividades. O Ativo Aumento (Redução) do Passivo Contas a Pagar 337.690,59 1.003.639,42 cisão e desmembramento da INSTITUIÇÃO PAULISTA ADVENTISTA DE EDUCAÇÃO E ASSISTÊNCIA SOCIAL(IPAEAS), Imobilizado está registrado contabilmente conforme apresentado: Receita com Subvenções a Incorrer (26.536,80) 83.425,80 constituída em uma associação, é pessoa jurídica de direito privado, de fins não econômicos, com a atividade 2016 2017 Fundos em Projetos Próprios 24.147,50 (29.801,61) preponderante na área da Assistência Social, com sede na cidade de Artur Nogueira, estado de São Paulo, Taxa Valor Valor Recursos de Subvenções a Realizar (141.565,06) 268.172,07 inscrita no CNPJ/MF sob nº 15.355.260/0001-57, com seu vigente Estatuto registrado no Cartório do Registro Anual Residual Custo Depreciação Residual Outras Obrigações (100.319,81) (86.884,16) Civil das Pessoas Jurídicas de Mogi Mirim, sob nº 2517, no Livro A-3, Declarada de Utilidade Pública Municipal Descrição Exigível (Não Circulante) (365.000,00) – Lei nº 3.092 de 20/12/2012. Obedecendo ao Princípio da Universalidade do Atendimento, de acordo com Edifícios e Benfeitorias 0% 1.696.665,41 2.196.366,85 - 2.196.366,85 CAIXA LÍQUIDO GERADO NAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 218.958,18 529.178,80 o Artigo 2º da Lei 12.101/2009, regulamentada pelo Decreto 8.242/2014, tem por finalidade e missão a em Formação ATIVIDADES DE INVESTIMENTO promoção e ou administração e ou gestão, em sua jurisdição, as atividades da assistência social, como também Adiantamento à Fornecedores Acréscimo no Imobilizado (621.042,93) (1.142.016,18) promoção da cultura, defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico, promoção da segurança - Imobilizações 0% 1.696.665,41 alimentar e nutricional, defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento Terrenos 0% 600.000,00 600.000,00 600.000,00 CAIXA LÍQUIDO CONSUMIDO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO (621.042,93) (1.142.016,18) sustentável, promoção do voluntariado, promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à Móveis e Utensílios 10% 146.355,16 314.167,85 (174.352,51) 139.815,34 pobreza, experimentação, não lucrativa, de novos modelos sócio produtivos e de sistemas alternativos de Máquinas e Equipamentos diversos 10% 126.865,21 306.532,71 (186.843,40) 119.689,31 ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Recebimento/Liquidação de Empréstimos 61,45 (4.211,95) produção, comércio, emprego e crédito, promoção de direitos estabelecidos, construção de novos direitos e CAIXA LÍQUIDO GERADO NAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO 61,45 (4.211,95) assessoria gratuita de interesse suplementar, promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, Equipamentos de Informática 25% 114.153,45 459.825,24 (347.482,03) 112.343,21 VARIAÇÃO LÍQUIDA NAS DISPONIBILIDADES (402.023,30) (617.049,33) da democracia e de outros valores universais, estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, /Eletrônicos 25% 182.504,42 563.226,71 (336.334,14) 226.892,57 SALDO INICIAL DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 2.204.661,51 2.821.710,84 produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades Veículos 20% 235,43 2.868,00 (478,00) 2.390,00 SALDO FINAL DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 1.802.638,21 2.204.661,51 mencionadas, prestar amparo à família, à gestante, ao jovem, ao adolescente e ao menor carente, cooperar com Semoventes As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. os órgãos públicos nas ações e programas de promoção assistencial, educacional e de erradicação da miséria, Totais 4.563.444,49 4.442.987,36 (1.045.490,08) 3.397.497,28 promover eventos culturais, artísticos e estimular tradições, notadamente através da arte e da música, promover 8. Recursos de Subvenções a Realizar: A Entidade para a contabilização de suas subvenções governamentais, DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO feiras, exposições e congressos, atividades desportivas, com apoio e participação da comunidade, dentro de atendeu a NBCT TG 07 (R1) que em seu texto item 12 relata que uma subvenção governamental deve ser reconhecida EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO (EM REAIS) suas possibilidades técnicas e financeiras, preparar, qualificar e habilitar o indivíduo para o mercado de como receita ao longo do período e confrontada com as despesas que pretende compensar, em base sistemática trabalho e o exercício consciente da cidadania, contribuir para o desenvolvimento do espírito de solidariedade Superávit 9. Contas a Pagar: As contas a pagar são obrigações a pagar por bens ou serviços que foram adquiridos no comunitária, através do aperfeiçoamento do ser humano, e do desenvolvimento de suas potencialidades, Patrimônio ou Déficit combater, através de ações e programas de esclarecimento, de prevenção e de recuperação, os males causados curso normal dos negócios, sendo classificadas como passivos circulantes, se o pagamento for devido no período Social Acumulado Total de até um ano. Caso contrário, as contas a pagar são apresentadas como passivo não circulante. Elas são, pelo alcoolismo, pelo tabagismo e pelas demais drogas e tóxico nocivos à saúde, dar atenção especial aos Saldos em 31 de dezembro de 2015 2.178.925,15 484.146,67 2.663.071,82 jovens e aos juvenis com o fim de promover entre eles o cultivo das boas ações, dos atos nobres, da honra à inicialmente, reconhecidas pelo valor justo e, subsequentemente, mensuradas pelo custo amortizado utilizando Transferência do superávit do exercício anterior 484.146,67 (484.146,67) Pátria, do respeito e amor aos pais, visando a formação do caráter, e desenvolver aptidões de civismo e o método de taxa efetiva de juros. Na prática, são normalmente reconhecidas ao valor da fatura correspondente, Superávit do exercício (555.378,49) (555.378,49) altruísmo, promover atendimento de atenção à saúde preventiva e curativa, promover programas e ações, na área Descrição 2017 2016 Saldos em 31 de dezembro de 2016 2.663.071,82 (555.378,49 2.107.693,33 da agricultura familiar com ênfase na agroecologia, capacitar e promover o desenvolvimento integrado e Fornecedores A Pagar 9.139,42 3.955,78 Transferência do superávit do exercício anterior (555.378,49) 555.378,49 sustentável das comunidades, realizando programas de capacitação técnica em agricultura, pecuária, Obrigações Fiscais Superávit do exercício 138.117,23 138.117,23 319,72 2.431,97 horticultura, piscicultura, apicultura, entre outras atividades de geração de renda, produzir e veicular ações e Obrigações Empregatícias 2.107.693,33 138.117,23 2.245.810,56 45.418,38 57.769,43 Saldos em 31 de dezembro de 2017 programas de educação e promoção humana através dos meios de comunicação social, prestar assistência e As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 135.683,80 163.848,15 socorrer necessitados, carentes e desemparados de infortúnios causados por inundações, calamidades e Obrigações Com Pessoal Entidades Organizacionais / Parcerias 2.651.580,44 2.304.740,34 flagelos climáticos ou sociais, mediante distribuição de roupas, alimentos e utensílios domésticos. consonância com a Resolução nº 109, de 11 de novembro de 2009 que aprovou a Tipificação Nacional de Depósitos Não Identificados A Regularizar 41.592,00 4.931,74 2. Do Cumprimento do Artigo 14 do CTN (Código Nacional Tributário): a) A Entidade aplica integralmente 925,27 - Serviços Sócio assistenciais; dentro desses parâmetros os programas instituídos estão caracterizados como de o seu eventual resultado operacional; na manutenção e desenvolvimento de seus objetivos institucionais, Cheques Não Compensados conforme previsto em seu Estatuto Social, no inciso I do artigo 33º. b) A Entidade não distribui resultados, Outras Contas A Pagar 676,22 9.905,80 Proteção Social Básica, demonstrado a seguir: 2017 2016 dividendos, bonificações, participações ou parcelas do seu patrimônio sob nenhuma forma ou pretexto, bem Total 2.885.335,25 2.547.583,21 Aplicações Sociais como, seus dirigentes, conselheiros, e demais beneméritos, não perceberam vantagens ou benefícios, por 10. Provisões: Provisões a Curto Prazo Incluem as provisões de férias e seus respectivos encargos, com a finalidade Valores Valores qualquer forma ou título em razão das competências, funções ou atividades que lhes fossem atribuídas pelos de atender ao regime de competência das férias e seus encargos. Beneficiários Aplicados Beneficiários Aplicados respectivos atos constitutivos, conforme previsto em seu Estatuto Social, no inciso II do artigo 33º. c) A Entidade Núcleo de Osasco 76 104.114,71 92 108.685,13 mantém escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de formalidades que asseguram sua 11. Patrimônio Líquido: O Patrimônio Líquido é constituído pelo Patrimônio Social, bem como pelos superávits 80 125.080,58 80 137.465,00 resultantes das atividades, os quais são integralmente aplicados na manutenção e desenvolvimento dos Núcleo de Ibiúna exatidão, conforme previsto em seu Estatuto Social no inciso III do artigo 33°. Núcleo de Vila Clara 208 103.406,34 171 154.098,94 3. Apresentação das Demonstrações Contábeis: As demonstrações contábeis foram elaboradas em observância objetivos institucionais da entidade. Núcleo de Rio Claro 211 495.173,26 206 546.557,05 às práticas contábeis adotadas no Brasil, atendendo à Resolução do CFC n° 1.185/2009 e à Resolução do CFC 12. Doações Recebidas 2017 2016 Núcleo de Engenheiro Coelho nº 1.409/2012, que estabelece critérios e procedimentos específicos de avaliação dos componentes, variações O valor das doações recebidas em: 34 185.558,79 95 231.829,10 patrimoniais e de estruturação das demonstrações contábeis das entidades sem fins lucrativos. As demonstrações Pessoa Física 1.161.414,17 873.003,30 Núcleo Profa. Cassia R. Lasca 120 438.923,97 120 527.241,51 contábeis foram elaboradas aderindo as Normas Brasileiras de Contabilidade ITG 1000 e ITG 2002 que incorporam Pessoa Jurídica 365.634,56 229.135,89 Centro Adventista de Presidente Prudente 80 407.293,58 69 347.961,53 os Pronunciamentos Técnicos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis e as Normas Brasileiras de Contabilidade Total das Doações 1.527.048,73 1.102.139,19 Centro Adventista de Araraquara 18 150.929,24 165 136.664,38 do Conselho Federal de Contabilidade em vigor até a data de conclusão da elaboração das demonstrações 13. Subvenção Organizacionais / Parcerias Centro Adventista de Apoio a Família-CAAF 241 388.130,34 213 427.875,44 contábeis. Em dezembro de 2011 foi publicado a Portaria 353 do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate 2017 2016 Núcleo Vovó Josephina à Fome, estabelecendo em seu Artigo 12 que as entidades com atuação preponderante em Assistência Social devem Descrição 70 259.690,79 70 253.623,86 Entidades do grupo Econômico Adventista 2.258.245,64 2.001.120,75 incluir em suas demonstrações a Demonstração das Origens e Aplicações dos Recursos – DOAR. Núcleo Bom Samaritano 93 383.604,03 94 312.833,69 101.314,04 85.250,65 4.Principais práticas contábeis brasileiras adotadas: a) Apuração do resultado: O resultado foi apurado Convênios De Cooperação Núcleo de Itaberá 83 283.080,34 92 291.689,40 2.359.559,68 2.086.371,40 segundo o Regime de Competência. Os rendimentos e encargos incidentes sobre os Ativos e Passivos e suas realizações Total 147 268.510,72 144 234.975,86 estão reconhecidos no resultado. b) Caixa e Equivalentes de Caixa: Consistem em numerários disponíveis na 14. Subvenção Governamentais> O valor recebido de Recursos do poder público pela Instituição em 2017, totalizou Vinde a Mim - Hortolândia Núcleo de Itanhaém 106 198.434,54 100 185.015,98 Entidade. Caixa e equivalentes de caixa incluem aplicações financeiras de curto prazo, de alta liquidez, que são o montante de R$ 1.878.217,49, oriundos de recursos Municipal, Estadual e Federal. São recursos financeiros provenientes 95 366.949,77 526 434.255,05 prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de de convênios firmados com órgãos governamentais, e tem como objetivo principal operacionalizar projetos e atividades Núcleo de Cubatão – Nova República mudança de valor. As aplicações financeiras estão demonstradas pelo valor de aplicação acrescido dos rendimentos pré-determinadas. Periodicamente, a Entidade presta conta de todo o fluxo financeiro e operacional aos órgãos Projeto Casa da ADRA – Artur Nogueira 182 253.203,77 504 221.875,51 correspondentes, apropriados até a data do Balanço. c) Outros ativos: Os demais ativos estão apresentados ao competentes, ficando também toda documentação a disposição para qualquer fiscalização. Os convênios firmados Núcleo de Araçariguama 112 175.085,02 143 160.139,33 valor de realização, incluindo quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas. d) Imobilizado: 49 236.369,55 168 255.605,69 O Imobilizado está demonstrado ao custo de aquisição, acrescido da correção monetária até 31 de dezembro de estão de acordo com o estatuto social da Entidade e as despesas de acordo com suas finalidades. A Entidade para a Núcleo de Cotia Núcleo de Cotia II – Calcaia 80 148.156,34 contabilização de suas subvenções governamentais, atendeu a Resolução CFC No. 1.305/10. 1995. A depreciação do imobilizado é calculada pelo método linear, às taxas que levam em consideração a vida 2017 2016 Núcleo Adventista de São José do Rio Preto 64 108.706,03 55 106.387,62 útil econômica dos bens, registrada diretamente no resultado do exercício. e) Passivo circulante: O passivo Recursos Poderes Públicos: circulante está demonstrado por valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes Municipal: 2.149 5.080.401,71 3.107 5.074.780,07 encargos e variações monetárias incorridas, em base “pró-rata dia”. f) Dos Credores: Estão representados pelo Prefeitura Municipal de Ibiúna 0,00 59.620,80 Os serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais estão inscritos nos respectivos Conselhos seu valor nominal, original e representa o saldo credor de fornecedores em geral. g) Provisão para Férias: Foram Prefeitura Municipal Artur Nogueira 5.000,00 12.000,00 Municipais de Assistência Social e as atividades foram desenvolvidas no contexto legal da Filantropia, da Lei constituídas provisões de férias com base em 1/3 (um terço) dos salários nominais ajustados aos respectivos Prefeitura Municipal de Cotia 65.910,05 51.000,00 Nº 12.101/2009, art. 18, e do Decreto Nº 8.242/2014. períodos aquisitivos, acrescidas dos respectivos encargos até a data do balanço. Prefeitura Municipal de Campinas 192.724,02 142.614,07 16. Provisão de Passivos Contingente: Em atendimento a Resolução CFC 1.180/09 a administração da 5. Caixa e Equivalentes de Caixa: A Instituição mantém a parcela disponível do superávit dos exercícios Prefeitura Municipal de Rio Claro 426.985,70 375.139,14 entidade entendeu não ser necessário o registro contábil de contingências passivas, por não existir, até a data aplicados financeiramente enquanto não reinvestidos em atividades ligadas ao seu objetivo social. 69.975,00 80.975,00 do balanço, processos com possíveis ou prováveis perdas. Descrição 2017 2016 Prefeitura Municipal de Itaberá 50.543,96 44.228,68 Caixa 7.930,22 2.475,84 Prefeitura Municipal de Hortolândia 17. Benefícios da Filantropia: Contribuições Sociais – Isenção (Lei nº 12.101/2009 e Decreto nº 8.242/2014). 77.694,40 90.000,00 Bancos Conta Movimento 277.001,77 91.495,55 Prefeitura Municipal de Aracoiaba da Serra Bancos Conta Movimento - Vinculado Subvenção 10.549,24 129.301,20 Prefeitura Municipal de Apiaí 33.000,00 - A Entidade foi beneficiada pela isenção a partir do mês de junho de 2016. 2017 2016 Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata (a) 1.147.517,95 1.558.500,71 Prefeitura Municipal de Presidente Prudente 198.207,16 162.034,87 Contribuições Sociais – Isenção 586.436,33 379.387,29 Aplic.Financ. de Liq. Imediata-Aplicação de Subvenção 207.821,12 109.853,17 Prefeitura Municipal de Barretos 17.564,19 - Cota Patronal Aplicações Financeiras –Investimentos Temporários (b) 151.817,91 313.035,04 Prefeitura Municipal de Cubatão SAT 58.178,24 37.810,82 97.230,24 294.694,84 Total 1.802.638,21 2.204.661,51 Prefeitura Municipal de Itanhaém 140.632,97 96.379,55 24.000,00 87.072,00 Terceiros As aplicações estão classificadas como caixa e equivalentes de caixa, por possuir liquidez imediata e pelo fato da Contribuinte Individual 4.285,80 12.243,25 Prefeitura Municipal de Caucaia do Alto 107.237,14 102.000,00 administração efetuar resgates rotineiros em conformidade com a necessidade de caixa da Instituição. As aplicações 789.533,34 525.820,91 1.366.071,86 1.501.379,40 TOTAL financeiras referem-se a: a) Fundo de investimento em cotas de fundo de investimentos principal referenciado, que Total Recursos Municipais Em atendimento a Lei nº 12.101/2009 e Decreto nº 8.242/2014 são demonstrados a seguir os valores relativos Estadual: acompanha as variações diárias da taxa de juros do CDI ou taxa SELIC, mediante aplicação de seus recursos em Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vinculo 228.405,40 64.829,30 às isenções previdenciárias, como as devidas fossem gozadas durante os exercícios de 2017 e 2016: cotas de fundos de investimento. b) Refere-se a títulos de CDB com remuneração lastreada em CDI 6. Contas a Receber: As contas a receber são registradas e estão apresentados pelo valor de realização, Total Recursos Estaduais 228.405,40 64.829,30 Especificação 2017 2016 incluindo, quando aplicável. O Adiantamento Pessoal consiste em adiantamentos de férias. Federal: Isenção Usufruída (Cota Patronal) 789.533,34 525.820,91 Descrição 2017 2016 Recurso Público Federal-MDS 283.740,23 194.333,06 Aplicação em Gratuidades (Nota 12) 5.080.401,71 5.074.780,07 Adiantamento Pessoal 88.131,52 69.045,61 Total Recursos Federais 283.740,23 194.333,06 Valor Aplicado 4.290.868,37 4.548.959,16 Convênios de Cooperação Mantenedora 184.316,10 3.443,26 1.878.217,49 1.760.541,76 18. Cobertura de Seguros: A instituição possuiu cobertura de seguros e ricos diversos para os bens do ativo Convênios de Cooperação a Receber 15.361,15 16.376,51 Total Recursos Recebidos Respectivamente aplicados na sua totalidade em ações propostas nos convênios. Recursos Públ. Municipais a Receber 159.535,63 155.920,40 imobilizado nas modalidades de incêndio, raio, explosão, responsabilidade civil, roubo ou furto de bens, Recursos Públ. Estaduais a Receber 12.350,00 - 15. Assistência Social - Quadro Demonstrativo do SUAS, base: Lei 12.101/2009, Dec. 8.242/2014 e recomposição de documentos, vendaval e granizo, danos elétricos e vidros, que foram definidas por orientação Recursos Públ. Federais a Receber 5.000,00 Portaria MDS Nº 353-2011): Os valores destinados e as aplicações em assistência social foram registrados pelo Outros Créditos 4.680,53 7.971,91 seu valor original e de acordo com a sua competência. Nas aplicações em gratuidades por meio dos Serviços, de especialistas e levam em consideração a natureza de sua atividade e o grau de risco envolvido. Artur Nogueira, 31 de dezembro de 2017. Total 464.374,93 257.757,69 Programas, Projetos e Atividades de Assistência Social, foram observados os preceitos da Lei nº 8.742/1993, em

CONTADOR

DIRETORIA ÉLNIO ÁLVARES DE FREITAS DIRETOR PRESIDENTE CPF 167.717.451-04

MARCOS TOTH CONTADOR CRC 1SP266855/O-0

ALAIR ANTONIO SANTANA DIRETOR ECÔNOMO CPF 552.510.219-68

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS À Diretoria da AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECURSOS ASSISTENCIAIS CENTRAL BRASILEIRA - Artur Nogueira – SP 1. OPINIÃO: Examinamos as demonstrações contábeis da AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECURSOS ASSISTENCIAIS CENTRAL BRASILEIRA, que compreendem o Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2017 e as respectivas demonstrações do Resultado, das Mutações do Patrimônio Líquido e dos Fluxos de Caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis anteriormente referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECURSOS ASSISTENCIAIS CENTRAL BRASILEIRA em 31 de dezembro de 2017, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 2. BASE PARA A OPINIÃO: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “RESPONSABILIDADES DO AUDITOR PELA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS”. Somos independentes em relação à Entidade, de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional e nas Normas Profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, e cumprimos com as demais responsabilidades éticas, de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. 3. OUTRAS INFORMAÇÕES QUE ACOMPANHAM AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E O RELATÓRIO DO AUDITOR: A administração da Entidade é responsável por outras informações que compreendem o Relatório da Administração. Nossa opinião sobre as demonstrações contábeis não abrange o Relatório da Administração e não expressamos qualquer forma de conclusão de auditoria sobre esse relatório. Em conexão com a auditoria das demonstrações contábeis, nossa responsabilidade é a de ler o Relatório da Administração e, ao fazê-lo, considerar se esse relatório está, de forma relevante, inconsistente com as demonstrações contábeis ou com nosso conhecimento obtido na auditoria ou, de outra forma, aparenta estar distorcido de forma relevante. Se, com base no trabalho realizado, concluirmos que há uma distorção relevante no Relatório da Administração somos requeridos a comunicar esse fato. Não temos nada a relatar a este respeito. 4. RESPONSABILIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PELAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: A administração da Entidade é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela

determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Entidade continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis, a não ser que a administração pretenda liquidar a Entidade ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela administração da Entidade são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. 5. RESPONSABILIDADES DO AUDITOR PELA AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: Nossos trabalhos visam obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro e, assim, emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectarão as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Alem disso: a) Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. b) Comunicamo-nos com os responsáveis pela administração a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. c) Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidencia de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou representações falsas intencionais. d) Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Entidade. e) Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela administração. f) Concluímos sobre a adequação do uso, pela administração, da base contábil de

continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe uma incerteza significativa em relação a eventos ou circunstâncias que possa causar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Entidade. Se concluirmos que existe uma incerteza significativa, devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas inevidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a Entidade a não mais se manter em continuidade operacional. g) Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela administração a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. Fornecemos também aos responsáveis pela administração declaração de que cumprimos com as exigências éticas relevantes, incluindo os requisitos aplicáveis de independência, e comunicamos todos os eventuais relacionamentos ou assuntos que poderiam afetar consideravelmente nossa independência, incluindo, quando aplicável, as respectivas salvaguardas. 6. OUTROS ASSUNTOS: Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos – A DOAR referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2017 foi elaborada pela entidade sob a responsabilidade de sua administração, e submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente. Em nossa opinião a referida demonstração está adequadamente apresentada, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às demonstrações contábeis tomadas em conjunto. A DOAR foi elaborada por exigência do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome através da Portaria MDS 353 de 23 de Dezembro de 2011. Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior – Os valores correspondentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2016, apresentados para fins de comparação, foram auditados por nós, conforme relatório datado de 14 de junho de 2017, o qual não conteve qualquer modificação. Porto Alegre, 21 de maio de 2018 Nilton Antonio Tiellet Borges Contador CRC RS-015233/O-8 S-SP - CNAI 81 Registro CVM Ato Declaratório 5417, DOU 14/05/99 - Código CVM 7722 CPF 005.449.140-15 TSA Auditores Associados Sociedade Simples CRC RS-004240/O-1 S-SP

agência adventista de desenvolvimento e recursos

DIÁRIO COMÉRCIO INDÚSTRIA & SERVIÇOS G QUINTA-FEIRA E SEXTA- FEIRA, 31 DE MAIO E 1 DE JUNHO DE 2018 A7 AGÊNCIA ADVENTISTA DE DESENVOLVIMENTO E RECUR...

122KB Sizes 0 Downloads 3 Views

Recommend Documents

recursos humanos – avaliação e desenvolvimento - Questões de
20 de dez de 2009 - states will actually agree to anything in Copenhagen are starting to look worse and worse. Although

saneamento e recursos hídricos desenvolvimento econômico, ciência
18 de fev de 2014 - Bela Vista – São Paulo, fica a Defesa intimada do despacho de fls.130, a saber: ..... lavra do Diret

e11 - recursos humanos - desenvolvimento - Questões de Concursos
documentos públicos da organização;. E) os padrões de relacionamento informais dominantes. 05) Sobre a ... como maior va

Desenvolvimento e avaliação sensorial de
Estados Unidos (Alm, 2002). Neste contexto, observa-se um aumento do desenvolvimento de produtos à base de soja, não só

secretaria de planejamento e desenvolvimento
BLANC - SEBASTIAO BANDEIRA DE FARIA; RENAVAM: 00919608256 ..... MOTOR:UE112945; VW; SANTANA CD; 1986/1986 , MICHEL DOS S

secretaria de planejamento e desenvolvimento
MOTOR:NAB254185; CHEVROLET; CELTA 1.0L LS; 2011/2012 , WELLINGTON DE MORAIS ... FATIMA SALES NUNES SOARES; RENAVAM: 0070

Propriedades Edáficas e Desenvolvimento de
30 de set de 2012 - Sequence in 'Mario Xavier' National Forest (Flona), RJ, Brazil ... that the diameter distribution wa

Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e
12 de mai de 2017 - LEI 11.196/ 2005 – “LEI DO BEM” – CAPÍTULO III. INCENTIVOS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. Objetivo. Estimul

Análise e Desenvolvimento de Sistemas
o formato JSON para encapsular os dados da resposta às requisições dos sistemas solicitantes. II. Os métodos GET, POST,

Análise e Desenvolvimento de Sistemas
Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) – G52 ... (1) Estudos de Caso em Computação Móvel - 00 5EECMead